Debate presidencial

r/politicalcartoons - Thank you Mr. President for wearing a mask

Obrigado, presidente, por usar sua máscara.

Compartilhar:

Toga de kriptonita

Bolsonaro pretende nomear para o STF, no lugar de Celso de Mello, o desembargador do Piauí que conta, no currículo, que emite 600 decisões por dia. Caveat emptor. Decisão é gênero do qual fazem parte as sentenças. Mas decisão nem sempre é sentença; pode ser um despacho de uma palavra: “junte-se”. Agora, com processo pela internet, nem isso, pois o material é juntado imediatamente; se o juiz discordar, ele manda suprimir; então fica tudo igual. O desembargador e futuro ministro chegará ao STF tirando o recorde do presidente Dias Toffoli, outro stakhanovista* da toga.

Um juiz pode produzir muitas sentenças por dia, com esforço, dezenas, digamos assim, em matérias rigorosamente iguais, mudando nome e endereço das partes e os números dos processos. Mas 600, aí é para enganar capitão travestido de presidente ou jornalista desavisado. Nem Sérgio Moro, que acelerava os processos da Lava Jato, chegou perto. Os juízes, sem dúvida, estão mais produtivos – daí porque a gente não entende como um processo (como o deste que vos bloga), que há dois anos espera sentença, mesmo com a preferência de idoso.

Os juízes estão mais produtivos não porque são juízes melhores ou mais eficientes, mas graças aos assessores e à informática, inclusa a internet. Um copy-paste de “decisão” exige o assessor e dois dedos deste. Os juízes nem mais precisam assinar as sentenças – ou as decisões – graças à chancela eletrônica. Os juízes são produtivos, não digo o contrário porque um deles está com um processo meu, pronto para sentença, há dois anos. Mas com 600 decisões por dia, o futuro ministro do STF trocou a toga de seda pela de kriptonita.

*Stakhanovismo (Google). No dia 31 de agosto de 1935, [Alexei) Stakhanov — operário de uma mina de carvão em Donetz — conseguiu extrair 102 toneladas de carvão, superando 14 vezes os padrões de extração, ou seja, sua cota diária. Devido a esta façanha, que marcou a introdução de métodos tayloristas na mineração soviética, iniciou-se um movimento para a elevação do rendimento de produção do trabalho, com aplicação em todos os setores da indústria da União Soviética.

Compartilhar:

Ai cai

Morreu Quino/Mafalda, orfã/Chora

Renato Kanayama

Compartilhar:

Paulo, o justo

Com rigorosa regularidade – está no sexto fascículo – Paulo Roberto Ferreira Motta publica memórias de sua participação na construção do Nicolau, o tabloide literário mantido na gestão do professor René Ariel Dotti como secretário da Cultura do governo Álvaro Dias.

Os textos incitam à leitura. São escritos com graça, leveza e inspiração. De oportunidade incontestável, revelam não só o lado historiador de Paulo Motta, como expõem um oculto talento, escondido na advocacia pública. O autor fica a nos dever mais textos: ele viveu experiências e deve narrá-las.

Deve-se agradecer, como sempre e como nunca, à generosidade e percepção de Zé Beto, que abriu seu blog, democrático e pluralista, ao resgate do papel de agitador cultural do escritor Wilson Bueno, inspirador e editor do Nicolau.

Compartilhar:

Ao mestre sem carinho

O professor de Direito em Franca, SP, pediu à aluna para abrir a câmera do Skype durante aula online. A aluna recusou, disse que estava seminua. O mestre insistiu, prometeu aumentar meio ponto na nota. A coisa transpirou, o professor virou gozação entre os alunos. Irritado, ameaçou quem divulgasse de tirar dois pontos da nota. Se pelada a aluna ganharia meio ponto, o que deveria fazer para levar um dez? Com a palavra a congregação da faculdade.

Compartilhar:

Crise e oportunidade

Rayane Laura Souza, brasileira radicada na Bolívia, queixa-se que não consegue emprego na profissão depois de participar do Miss Bumbum International.  Médica, experiente e bem fornida, Rayane largou o emprego em hospital para a disputa, da qual saiu como vice Miss Bumbum. Desemprego? Ora, da proctofilia pode partir para a proctologia.

Compartilhar:

Melhor, impossível

Internados há uma semana para tratamento de covid, Rafael Greca informa estarem curados, ele e MinhaMargarita, prontos para encarar a vida normal. Na vida normal inclua-se a campanha eleitoral, que Rafael enfrentará como Muhammad Ali na luta contra um de seus desafiantes no campeonato dos pesos pesados: ora encostado nas cordas, fingindo-se fraco, ora a dançar, sempre para confundir o adversário. No covid e na campanha, Rafael nunca esteve melhor.

Compartilhar:

Proteção aos gatos

Bolsonaro sancionou a Lei Sansão, que aumenta as penas para maus-tratos a animais. Com o decoro e a gravidade que lhe faltam, levou cães à cerimônia, incluído o que deu nome à lei. Temia-se que não a sancionasse: teimava na pena maior para maus-tratos aos gatos. Até que foi convencido de que Fabrício Queiroz e seus patrões estão protegidos pela constituição.

Compartilhar:

Azares

Sabe qual a diferença entre os governadores suspeitos de corrupção? Uma: uns têm suas casas visitadas pela PF, outros, não. Quer dizer que os visitados são mais corruptos? Não obrigatoriamente. São os azares da corrupção, essa insondável instituição brasileira.

Compartilhar:

Estranho

O prefeito Rafael Greca teria sido contaminado pelo deputado Rodrigo Mais, presidente da câmara federal (que indiretamente contaminou a primeira dama, ela e o marido internados para tratamento). Notíca de hoje, na rede local; também pode ser fake, não se descarta. A quem aproveita divulgar a (falsa?) informação? Partiu de Greca? Para quê? Greca cruzou com apenas um infectado, Rodrigo Maia, durante a pandemia? Estranho, muito estranho.

Compartilhar:
error: O conteúdo está protegido !!