É a dengue, imbecil

ALGUÉM se acordou que terrenos baldios podem ser focos da dengue? Sujidade, umidade e calor são campos de cultura do mosquito. Terrenos baldios são realidade em toda parte, em todo o Brasil e de maior presença nas grandes cidades, assim mantidos, entre outras causas, pela especulação imobiliária que aposta na valorização e pelas desavenças familiares que perpetuam patrimônios indivisos. Tem até lei que autoriza cobrar não utilização social da propriedade e taxar pela falta de limpeza e conservação. Nem uma nem outra acontecem porque vereadores e prefeitos comem pelas mãos de proprietários e especuladores que pagam eleições para engazopar o eleitor e contribuinte menor.

Dou de exemplo o terreno imenso na esquina da Marechal Deodoro com General Carneiro com o qual convivo por mais de 50 anos. Bem cercado, bem desocupado e bem cerrado pelo matagal, aqui do alto vejo ali lançamento de lixo, transa de maloqueiro, partilha de furto, venda de drogas, entre os delitos menores. Prefeitura, lixeiro e prefeito de liteira ainda não vi. Como os pernilongos chegam fácil aqui ao vigésimo andar, precavenho-me contra o mosquito da dengue com o spray da farmácia. Não tenho esperança em prefeito, sejam os de antes, o atual e os futuros, vereadores incluídos. É tudo farinha do mesmo saco pentelhudo que desde sempre manda em tudo, até no transporte coletivo. 

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *