Vontade alta

No entanto, o delegado ressalta que, devido a quantidade de tiros contra a vítima, a “vontade de matar era alta”.

Da Banda B sobre a moça assassinada com 10 tiros, ontem, no Sítio Cercado. Com quantos tiros para a vontade de matar é baixa?
Compartilhar:

Alfabeto grego

Estamos na variante delta do covid e já se antecipa a cepa da variante lambda. Nesse ritmo logo aprenderemos o alfabeto grego. Mas só os sobreviventes.

Compartilhar:

Talibrasil

Não fique – muito – chocado com o fundamentalismo que transforma o Afeganistão em camisa de força sem liberdade. Não fique chocado porque o Brasil pode ir para um caminho parecido, com a diferença que não haverá talibans, mas gente um pouco menos pior no comando. O grau pode variar, mas a índole é a mesma, a da violência da ditadura.

Compartilhar:

Pela culatra

O cantor Sérgio Reis teve agravamento do diabetes após a repercussão negativa de seu apoio à invasão do STF pelas milícias de Jair Bolsonaro, convocadas pelo presidente da República e programada para o próximo 7 de setembro. Para se misturar à massa sencefálica do primitivismo bolsonarista é preciso ter a constituição física de animais irracionais. Sérgio Reis não tem, daí o piripaque. O berrante de Sérgio soltou o berro pela culatra.

Compartilhar:

Bolsonarismo explícito

O governador do Paraná não subscreveu a carta de 14 outros governadores em apoio ao STF, agredido pelo presidente da República. Surpresa nenhuma. O governador é bolsonarista, o pai do governador é bolsonarista e o povo do Paraná é majoritariamente bolsonarista. Os incomodados que se mudem, assinem suas cartas ou não votem no governador e no presidente na próxima eleição. Simples.

Compartilhar:

Os píncaros do ego

Joice Hasselmann é fotografada com hematomas no rosto em seu apartamento funcional em Brasília

A deputada Joice Hasselman não foi vítima de atentado, nem de violência conjugal. A conclusão veio do inquérito aberto pela polícia do Distrito Federal, que identificou a causa dos ferimentos da deputada: ela sofreu uma “queda da própria altura”. O veredito tem um quê de cabalístico e outro tanto de metafísico. “Queda da própria altura” significa que Joice estatelou-se no chão – aliás, o diagnóstico preciso, com termo adequado no idioma e na medicina legal.

Daí ter ferido o queixo, os olhos, um braço e quebrado costelas. Convenhamos que fica aquela dúvida: é ferimento demais, extenso e intenso para uma pessoa com a altura de Joice. Se a polícia não fosse composta de gente séria demais, sem qualquer senso de humor, seria de se cogitar de ironia: a deputada acidentou-se ao desabar dos píncaros de seu ego, coisa até compreensível nos fenômenos eleitorais dos milhões de votos que vieram com Jair Bolsonaro.

Joice chegou a Brasília com sapatos altíssimos, exigindo a liderança de seu partido após se desentender com 03, um dos delfins de Bolsonaro. Apresentou-se ora como postulante à prefeitura, ora ao governo de São Paulo. É muita altura para quem usa sapatos tão vitaminados. Ao cair, acontece todo aquele estrago. Joice bem que tentou extrair de sua queda o poder da facada que elegeu Jair Bolsonaro. Não foi desta vez e o relatório do delegado arranha a já desgastada credibilidade da deputada.

A ficção do atentado foi rigorosamente descartada pela polícia: não houve invasão do prédio nem do apartamento da deputada. Para não ficar pior, uma emenda piedosa foi trazida por Joice e pela polícia: o episódio põe em destaque a necessidade de reforçar o policiamento das residências dos congressistas. Só se for para policiar a altura das pantufas (Joice estava em casa, de pijama, assistindo televisão). Como no Brasil acredita-se na Cuca e nos cantos da carochinha, haverá compradores para a versão do atentado.

Compartilhar:

Faça o que digo…

O próprio ministro do Supremo Tribunal Federal, presidente Fux, na sua nota, disse que ‘mexeu com um, mexeu com todos’. Não é assim. Se um militar aqui faz alguma coisa de errado, eu sou militar, o que nós fazemos? A gente investiga. Se tiver responsabilidade, vai pagar o preço. Altíssimo. Agora, não pode ter corporativismo nessas questões.

O presidente da República acusa de corporativismo o presidente do STF, Luís Fux. Coerente e correto o nosso Jair Bolsonaro, que revelou como puniu de modo exemplar “a coisa de errado” de seu ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello. Agora, que frase infeliz e desastrada a de Fux. Não tinha maneira melhor de esconder o corporativismo, que Bolsonaro apontou falando o certo com a boca torta?

Compartilhar:

Um mentiroso conhece outro?

“Pelo que conheço Barros, acho que ele vai se sair bem na CPI” – Jair Bolsonaro antecipa o depoimento do deputado Ricardo Barros, líder de seu governo (e dos quatro anteriores, dois do PT incluídos) na câmara federal.

Compartilhar:

O motivo

O porquê do fracasso da tanquiata de Brasília: faltou Regina Duarte, na rampa com o Reizinho Patético. A rainha da sucata não foi convidada.

Compartilhar:

Varca’s Secret

Rafael Greca presenteado com camisa do Coritiba. Modelo GGGplus da grife Varca/Carvalo. Vai faltar pano para vestir os zagueiros. Agora, aquele número 25, sei não, é propaganda enganosa. Ah, sim, o presidente coxa é Gulin. Apenas rima, que a solução é antiga.

Compartilhar:
error: O conteúdo está protegido !!